angústia (penha de castro)

.

Já não sonho mais com cores 
Que bailam no infinito
Acredito no que é real,
Castigo e solidão,
Pleno, afeto e medo.
Temo o aperto no coração,
Algo assim como um infarto.
Sigo o meu olhar perdido
A procura de um beijo,
Algo como se não fosse nada
Ou um mero pedido de socorro.
Fujo de mim mesmo
Ou das minhas verdades,
Nego meus pecados em confissão
Se sou eu que me absorvo 
Ou me condeno,
Se sou eu que fabrico 
Minhas angústias, 
Meu cárcere e meu céu.
Trava-se dentro de mim
Batalhas letais
Entre o equilíbrio e o caos
Quando penso
Nas estrada dos meus dias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s